Afogamentos. Bastam 2 dedos de água. - Angelino - O Anjinho Distraído
16554
post-template-default,single,single-post,postid-16554,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,vss_responsive_adv,columns-4,qode-theme-ver-8.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.9.2,vc_responsive

Afogamentos. Bastam 2 dedos de água.

26 set Afogamentos. Bastam 2 dedos de água.

Existem relatos de bebês que se afogaram numa lâmina de apenas 2,5 cm de água. Basta que as narinas e bocas estejam encobertos por alguns segundos e o pior pode acontecer. Os afogamentos são a terceira causa de mortalidade de crianças em todo o mundo, por isso é fundamental saber como evitar.

A primeira medida, vale para qualquer tipo de acidente com crianças: esteja sempre por perto e vigilante. Os adultos não podem descuidar nem por um minuto das crianças, principalmente quando estiverem perto de ambientes com rios, piscinas, lagos e mar. Seguem algumas recomendações importantes:

 

  • Em casa, mantenha as tampas dos vasos sanitários fechadas, de preferência com travas apropriadas. Quando estão aprendendo a andar, os bebês podem ir até o vaso sanitário para olhar o que tem dentro. Seu reflexo na água chama atenção, como se houvesse outro bebê lá dentro. Como a cabeça do bebê é mais pesada em relação ao tronco, ele pode se inclinar até cair dentro do vaso e não ter força nos bracinhos para sair de lá. O ideal é fechar as portas dos banheiros e acompanhar as crianças pequenas sempre que quiserem usar.

 

  • Esvazie sempre os baldes, banheiras e piscinas de plástico e guarde-os virados para baixo.

 

  • Bloqueie o acesso a poços, tonéis e cisternas.

 

  • Isole as piscinas com cercas de pelo menos 1,5m e mantenha os portões fechados. Capas, telas e alarmes não eliminam os riscos de afogamento.

 

  • Procure saber se vizinhos ou amigos de seus filhos possuem piscina em casa e, antes de deixar seu filho ir brincar na casa deles, certifique-se de que eles adotam todas as medidas de segurança necessárias.

 

  • Boias de barriga ou de braço dão uma falsa sensação de proteção. Elas podem estourar ou virar, colocando a criança em risco. Prefira os coletes salva-vidas nas piscinas, rios ou praias. Brinquedos e colchões infláveis não dispensam o uso de coletes.

 

  • Ensine seus filhos a nadar a partir dos 4 anos, de preferência em escolas especializadas, mas não superestime suas habilidades. Muitos afogamentos acontecem com crianças que achavam que sabiam nadar.

 

  • Na praia, permita que as crianças brinquem com a água no máximo até a altura do umbigo e sempre supervisionadas. Bancos de areia e valas são verdadeiras armadilhas marinhas, assim como as ondas e as correntezas, que podem puxar as crianças para águas mais fundas.

 

  • Mesmo brincando na areia, as crianças podem ser surpreendidas por ondas inesperadas. As marés podem subir rapidamente

 

Fonte: Criança Segura

Sem comentários

Enviar um comentário