Diabetes na infância. - Angelino - O Anjinho Distraído
16551
post-template-default,single,single-post,postid-16551,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,vss_responsive_adv,columns-4,qode-theme-ver-8.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.9.2,vc_responsive

Diabetes na infância.

25 set Diabetes na infância.

A mais comum nas crianças é a diabete do tipo 1. Considerada uma doença auto-imune, ela faz o corpo produzir anticorpos contra suas próprias células produtoras de insulina, que é o hormônio que transforma açúcar em energia.

Diferente da Diabete do tipo 2, que ocorre com maior frequência em adultos e é, na maioria dos casos, resultado de má alimentação, obesidade e sedentarismo, a Diabete do tipo 1 costuma aparecer subitamente, as vezes nas primeiras semanas de nascimento, em decorrência de um fator ambiental, que pode ser uma infecção ou virose.

Nos dois casos de diabetes, há uma tendência genética, embora não seja uma doença hereditária.

O diagnóstico é simples, feito com um monitor de glicemia. Basta uma picadinha no dedo e em segundos sai o resultado. O tratamento é com aplicação de insulina injetável na quantidade necessária para cada taxa de glicose, sendo que a ausência do tratamento, ou tratamento inadequado, pode acarretar graves problemas, podendo levar ao coma diabético. Por isso, é importante ficar atento aos sinais: sede excessiva, aumento da frequência de urinar e emagrecimento contínuo podem ser sintomas da diabete. Na dúvida, consulte um pediatra.

 

fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes

Sem comentários

Enviar um comentário