O fim da cegonha. - Angelino - O Anjinho Distraído
16572
post-template-default,single,single-post,postid-16572,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,vss_responsive_adv,columns-4,qode-theme-ver-8.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.9.2,vc_responsive

O fim da cegonha.

02 out O fim da cegonha.

“Mamãe, como eu nasci?”. “Papai, de onde vêm os bebês?”. Perguntas como estas costumam nos pegar desprevenidos, por isso, é bom se preparar antecipadamente para as respostas.

Os psicólogos se mostram bastante unidos neste ponto: se uma criança pergunta sobre algo muito específico, é porque já está preparada para receber a resposta. O que não se deve fazer é se esquivar ou contar uma mentira.

A partir dos 5 anos, mais ou menos, as crianças perguntam com a curiosidade típica de quem tem desejo de aprender. É o momento ideal para contar-lhes a verdade. Como as crianças nascem?

A primeira coisa é não se alarmar com a pergunta. Independentemente de como você encara o assunto, tente compreender que se trata de algo natural e que a dúvida também é lógica. Se você colocar um tabu sobre o tema sexual, é possível que mais para a frente, quando a criança crescer e chegar à adolescência, você tenha problemas para se comunicar com ela, porque desde pequena terá estabelecido que este é um assunto proibido.

A forma de explicar para uma criança de onde vêm os bebês dependerá basicamente da idade da mesma. As crianças menores, por exemplo, de três ou quatro anos, se conformam ao saber que os bebês estão na barriga da mamãe durante 9 meses e que depois saem dela. Só se a criança perguntar como o bebê chega até lá deveremos passar ao seguinte ponto da explicação, sempre de forma muito básica devido à idade.

Mas uma criança de 7 ou 8 anos pedirá uma explicação mais clara e profunda, digamos, desde o ponto de vista biológico. Não tema fazer isso, mas explique de uma forma simples, sem ficar nervoso ou dar mais informação do que a criança precisa. Não tenha dúvida, se algo não ficou claro ela perguntará o que deseja saber.

É muito importante que na hora de explicar para uma criança de onde vêm os bebês você fale de forma clara, sem rodeios e sem confusões. Nesta explicação existem coisas que devem ficar claras, principalmente se a criança for maior e pedir informação:

  • Deve ficar claro que é um ato feito entre um homem e uma mulher, com o consentimento de ambos.
  • É importante que a criança entenda a participação dos dois no processo. Uma forma comum de fazê-lo é explicando que a mamãe coloca “os ovinhos” e o papai “a semente”.
  • É necessário que a criança entenda que para procriar, tanto homem como mulher devem ter atingido a maturidade, uma certa idade. Que entenda que não é um processo que uma criança possa fazer.
  • Outros detalhes que são muito úteis para ajudar na formação sexual é esclarecer que deve existir carinho entre o papai e a mamãe para trazer um bebê ao mundo, mas que não é algo que possa ser feito com qualquer pessoa que amamos, como nossos irmãos ou nossos pais. A criança deve aprender desde cedo a separar estes aspectos e você deve explicar à ela.

É melhor se a explicação  tiver o apoio de imagens. No caso das crianças menores, os gráficos onde aparece o feto na barriga podem ser suficientes para que elas fiquem satisfeitos. No caso das crianças mais velhas, ao querer saber qual é a participação do homem e da mulher no processo, será útil ver desenhos dos órgãos sexuais masculino e feminino e entender um pouco mais sobre o processo completo.

Também é importante que a criança compreenda alguns detalhes, por isso explique bem que:

  • Os bebês não são feitos com beijos, mas com a colocação do pênis do papai na vagina da mamãe.
  • Só as mulheres podem ter bebês, e estes nascem pela vagina ou por um corte na barriga (se a criança nasceu de uma cesariana, mostre a cicatriz para ela.
  • Lembre-se que histórias como a da cegonha nunca devem ser contadas a uma criança. Apesar de que o assunto possa ser constrangedor, elas merecem saber a verdade.

 

Fontes: Educação UmComo, Guia Infantil

Sem comentários

Enviar um comentário